26 C
Salvador
sábado, abril 4, 2020
Home A TARDE FOLIA 2020 Motor da folia baiana, trio elétrico festeja 70 anos

Motor da folia baiana, trio elétrico festeja 70 anos

Por Márcio Walter Machado*

Alguém que distraidamente olhasse o pequeno e colorido carro modelo Ford T, carinhosamente chamado de Fobica, em exposição na Praça José de Anchieta, no Centro Histórico de Salvador, poderia até não ligar a sua história ao maior símbolo do Carnaval baiano, o trio elétrico. Mas o fato é que sem ele tudo o que sabemos do maior Carnaval de rua do planeta poderia não existir.

Completando 70 carnavais este ano, o equipamento – minúsculo quando comparado às versões atuais – que foi criado pelos músicos Adolfo Antônio do Nascimento, Dodô, e Osmar Macêdo, na década de 1950, é o responsável por dar à folia baiana o tempero que conquistou o mundo.

No entanto, longe dos pesados e brilhantes caminhões munidos de caixas de som de última geração, responsáveis por levar as vozes de estrelas da música baiana ao mundo inteiro e fazerem tremer os corpos e os edifícios por onde passam, movimentando pelo caminho cifras milionárias, a Fobica guarda uma história mais simples.

De acordo com o músico Armandinho Macêdo, filho de Osmar, a ideia de transformar um carro antigo em um palco itinerante surgiu dias antes do Carnaval de 1951. O clube de frevos pernambucano Vassourinhas estava passando em escala de navio por Salvador e arrastou uma multidão de soteropolitanos pelas ruas do centro da cidade a pedido do governador do estado.

“Quando meu pai viu o povo enlouquecendo com o ritmo do frevo, teve a ideia de tocar com Dodô. Ele disse: ‘Dodô, bora aprender mais frevo para tocar e vamos ligar lá na Fobica, a gente toca o frevo e a percussão sai tocando pelo asfalto’. O negócio foi assim, a orquestra estimulou e eles desenvolverem a ideia. Eles só tocavam para brincar no Carnaval, ninguém ganhava nada, era só diversão mesmo, não lucraram nada até o último ano deles, que foi 1961”, conta Armandinho.

Armandinho garante: “Foi o povo que popularizou o nome trio elétrico” | Foto: Adilton Venegeroles / Ag. A TARDE

Criação

Ele também afirma que o nome “trio elétrico”, intrinsecamente ligado à imagem do caminhão de som e luz que faz a alegria de milhões de pessoas mundo afora, foi popularizado pelos foliões, não por seus inventores, que sequer haviam pensado em batizar a própria criação.

“Trio Elétrico era o nome da banda que meu pai tinha com Dodô e outro músico. Eles começaram a fazer um sucesso danado com a Fobica, ficava todo mundo na rua esperando o tal trio elétrico; e o povo, com o passar dos anos, quando viu outros veículos semelhantes como o Conjunto Atlas e 5 Irmãos chegando, começavam a gritar ‘lá vem outro trio elétrico!’. Foi o povo que popularizou o nome, que era, na verdade, o nome do conjunto de meu pai com Dodô”.

Fato que passa despercebido para muitos foliões que hoje se juntam ao coro das grandes vozes da música, o trio elétrico tocou apenas músicas instrumentais por mais de 20 anos. Só a partir de 1975, pela iniciativa de Moraes Moreira, é que as vozes dos artistas começaram a ser ouvidas.

“O trio era todo som, todo cavaquinho elétrico, Moraes, que tinha estourado com a música Jubileu de Prata, pegou o microfone que a gente só usava para puxar os foliões e começou a dar uma cantadinha aqui e outra ali. Nessa de cantar uma horinha ou outra, o negócio foi pegando e quando a gente menos pensou, Baby do Brasil e Paulinho Boca de Cantor, nos anos seguintes, começaram a cantar também”, lembra Armandinho.

Moraes Moreira inovou quando passou a cantar em 1975 | Foto: Shirley Stolze / Ag. A TARDE

Memórias da primeira cantora de trio elétrico

Seguindo a onda de cantar no trio, Baby do Brasil revela como foi sua primeira experiência. De acordo com ela, tudo partiu de uma grande inquietação quando ouvia o público responder a um solo de Pepeu Gomes na avenida.

O solo que saía do som distorcido da guitarra de Pepeu eram as notas da música Campeão dos campeões.

“Eu tocava bumbo e o prato no trio com os Novos Baianos, eu tinha um microfone para amplificar o som do meu bumbo. O trio elétrico naquela época era somente instrumental, mas sempre que Pepeu solava a parte da música que diz: ‘Quem é o campeão dos campeões?’, a praça inteira cantava, respondendo: ‘É o Bahia!’. Isso me contagiava tanto que uma hora quando chegamos à praça não aguentei e peguei aquele microfone e cantei a plenos pulmões: ‘Quem é o campeão dos campeões?’. A massa respondeu calorosa”, diz Baby.

Baby instigou o povo na praça: ‘Quem é o campeão dos campeões?’ | Foto: Divulgação

Cornetas

A artista, que foi a primeira mulher a cantar em um trio elétrico, até recorda o fato curioso de ter o seu trio apelidado de O Morcegão da Madrugada e de como ele ajudou no formato dos trios atuais. “Eu e Paulinho Boca fomos para a rua para conseguir um trio, quando chegamos à garagem onde o carro estava, vimos que não havia nele as famosas cornetas que distorciam o som. Então, decidimos colocar nele o equipamento de som que usávamos nos shows. Depois de pronto, tivemos que derrubar o muro da oficina para o carro sair, pois com os equipamentos ele ficou enorme, para espanto do público”.

Parada diante da fobica, no Centro Histórico, a fonoaudióloga Anandrielle Santos, 30 anos, disse estar extasiada com a história que o pequeno Ford T adaptado representa.
“Eu fiquei imaginando como surgiu, me senti contemplando algo histórico, como a Monalisa. Não conheço os detalhes da história, mas sei de nomes importantes como Dodô e Osmar, Orlando Tapajós. Graças a eles nosso Carnaval é o melhor do mundo”, avalia.

*Sob a supervisão do jornalista Marcos Dias

Redação
O A Tarde é um jornal diário brasileiro que circula no estado da Bahia. Fundado por Ernesto Simões Filho,[3][4] é o mais antigo jornal impresso baiano em circulação[5] e um dos mais antigos do Brasil,[4] a qual iniciou-se em 15 de outubro de 1912

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimas Notícias

Artistas baianos levam Carnaval para EUA

Artistas baianos levam o Carnaval de Salvadror para Orlando, nos Estados Unidos (EUA), neste sábado, 7. Entre as atrações estão Harmonia do...

Após sucesso do Carnaval 2020, Camarote Club se prepara para comemorar cinco anos em 2021

Apesar da folia já ter terminado, o clima de alegria ainda é grande entre os organizadores do Camarote Club, situado na região...

Grupo A TARDE amplia o protagonismo na cobertura do Carnaval

O Carnaval de Salvador teve uma completa e ampla cobertura oferecida pelas principais plataformas do Grupo A TARDE ao longo dos sete...

Após jejum de 23 anos, Viradouro é campeã do Carnaval do Rio

A Viradouro é campeã do Carnaval 2020 do Rio. Com o enredo "Viradouro de Alma Lavada", a escola homenageou as Ganhadeiras de...

Cajazeiras tem recorde de público durante Carnaval

O Cajazeiras Folia 2020, realizado entre o sábado, 22, e a terça-feira, 23, superou as expectativas ao atingir recorde de público....

PATROCÍNIO

APOIO